terça-feira, 28 de junho de 2011

Não responda!

Perguntas retóricas são, infelizmente, um recurso de oratória que nem todos conhecem. Quantas perguntas por aí que jamais deveriam ser respondidas? Não precisa responder, perguntei retoricamente, viu? Por exemplo: quem profere alguma frase questionando alguma nuance do próprio caráter, como Seu Madruga habitualmente faz, diz o seguinte nas entrelinhas: não estou disposto a ouvir a verdade; diga apenas o que quero ouvir e retire-se. Dito isso, despidamo-nos com uma terminologia adequada, como de praxe: perguntas retóricas são um recurso, dentro de um discurso -- para evocação e ênfase de um raciocínio -- que não é feito para se sanar uma dúvida, mas sim para se trazer à tona um assunto ou uma dada interpretação. Uma forma de elipse, talvez: o receptor do discurso pode até considerar a supracitada frase do discurso uma pergunta dirigida a sua pessoa, mas a elipse (ou zeugma), num caso extremo aqui, pode impedir que uma resposta seja dada. Fiquemos com o exemplo de Seu Madruga, tentando defender seu caráter, pondo-o à prova com:


Você acha que eu sou algum tarado?? Não responda!!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

WTF



Sempre suspeitei de que aquelas roupas de brechó que tanto via em shows ruins de rock se tratassem de abadás... ;-)

sexta-feira, 10 de junho de 2011

E a gente se achando politicamente correto demais

Recentemente descobri que hoje em dia você não pode mais falar soropositivo. Eles ficam bravinhos. Agora você precisa falar "pessoa que vive com o HIV". É brincadeira? Já nos acostumamos a nos referir às pessoas com deficiência como portadores de necessidades especiais, mas me parece que a parada tá saindo do controle. Porra, soropositivo não é um termo criado pelo imaginário bairrista popular, é um termo científico. O politicamente correto tá perdendo a linha faz tempo. Mas talvez ainda não tenhamos superado o grau de tédio da língua inglesa nesse aspecto. Deem uma olhada nos exemplos abaixo:

  • Situation room: é assim que a sala de controle, onde o presidente estadunidense e várias autoridades, incluindo várias das forças armadas, se concentraram para acompanhar a operação dos SEALS que matou bin Laden. Ou seja, em vez de usar os termos tático, estratégico, ação rápida ou algo mais honesto, me parece que situation caiu como um eufemismo cínico aqui. Um país cuja política externa consiste em invadir país dos outros pra matar terrorista? Isso não é situation porra nenhuma! Isso é gana por petróleo à custa de sangue árabe, e sempre foi.
  • Challenged people: eufemismo pra portadores de necessidade. Esse até que é mais bonitinho que aquele palavrório todo que a turma chata do politicamente correto criou aqui: os PNE.
  • Little people: forma politicamente correta de se referir a anões. Como se fosse um palavrão alguém ser mais baixo que os "padrões" sociais.
  • Undisclosed location: para os americanos não falaram abertamente que grande parte do dinheiro que derramam nessas guerras inúteis deles é puro desperdício, eles criaram essa sutileza para se referir a uma locação desconhecida, ou quando ignoram a localização de algum inimigo.
  • White trash: nos EUA é proibido ser pobre se você é branco. Prova disso é essa "educada" gíria (slang) deles. O Deus deles é o dinheiro, sem dúvida alguma. Pobreza pra eles é purgatório, vixe.
Alguns exemplos nacionais, pra não ficarmos apenas nos anglicismos:
  • Alimento geneticamente modificado: pasmem: em vez de os fabricantes falarem abertamente a irrebatável verdade que seus alimentos contém soja transgênica, me saem com essa hipocrisia. E a parte mais legal ainda está por vir. Esses dias vi esse aviso numa embalagem de Cheetos, na parte da frente. E o fabricante se entrega colocando aquele símbolo amarelo, em forma de triângulo amarelo, com um T preto dentro, sabe? Ele é símbolo internacional para indicar que um alimento contém a soja do mal, criada pela Monsanto que vai entupir cada poro de suas células com câncer em algumas décadas. Tá, aí, quando você vira o verso da embalagem, encontra a informação de que os salgadinhos contêm 25% menos sódio e zero (ZERO) por cento de gorduras trans. Dá pra ver que trabalhar na indústria de alimentos é seu passaporte pro inferno fácil. E dá pra ver também que uma mentira contada mil vezes torna-se verdade.
  • Gordura hidrogenada: outro eufemismo para gorduras trans. Como você acha que as batatinhas do McDonald's ficam tão durinhas? Talento culinário dos funcionários de lá que não é. É gordura trans PURA deixando as batatinhas anormalmente duras. E não adianta fugir: tudo que você compra pré-feito, bastando colocar no microondas, é feito com elas. E é assim que a indústria de alimentos cuida de sua saúde: entupindo seus alimentos com essa graxa abjeta e cagando pra sua saúde.

domingo, 5 de junho de 2011

Bloco de notas (XX)

Outro dia um vendedor de amendoim habitué abordou meu irmão. Ele comentou sobre isso comigo e mencionou o que este lhe disse, ao se retirar: "se quiser fazer pedidos, também atendo pelo Facebook". Era questão de tempo a informalidade descobrir a internet...
Tenho achado o rss do site com um template mais legal do que os que habitualmente aplico aqui. Podem me chamar de estranho.

Esses sites que reduzem URLs, pra mim, são a coisa mais inútil e preguiçosa da internet. Além de serem um desserviço à internet toda, ao facilitar o disfarce de URLs maliciosas. Quando falo que ninguém consegue escrever mais nada com mais de 140 caracteres, não exagero: ainda vai ter nego inventando tiny URL para textos inteiros.

Sabe qual é o melhor IM que já usei? Não é o ICQ, nem o MSN: é o do Facebook. Lá não tem essa frescura de nego se achar importante definindo seu status como "ocupado", "ausente", enquanto fala com quem bem lhe convier, como se fosse celebridade ou como se o computador fosse uma secretária eletrônica. No do FB, a luazinha dizendo que você não está por perto aparece independente de sua vontade, após alguns minuto de inatividade. Ou seja, ou tá disponível pra conversa ou não tá. Como na vida real (IRL). Simples, como sempre deveria ter sido. Sem envio de imagens, sem emoticons jecas, sem letrinhas coloridas, sem um software a mais aberto na bandeja entupida de bobagem do Windows. Aprendam com o Zuckerberg, grandes portais (o Gtalk tentou isso em sites como o Gmail mas não colou) que querem emplacar serviços de IM...

Religião é o mais extenso exemplo do que o poder da sugestão é capaz. Ela se fecha em si própria para interpretar tudo que acontece no mundo como conspirando ou seguindo padrões compatíveis com seus dogmas. No aspecto padrões, às vezes os religiosos deixam qualquer matemático no chinelo. Dá o que pensar isso, não?