sexta-feira, 30 de outubro de 2009

A realidade sempre supera a ficção

"Homem é assassinado a tiros e com uma cruz cravada na boca nesta madrugada"
de TV CENTRO AMÉRICA

Dois assassinatos e uma tentativa de homicídio foram registrados entre a noite de quinta-feira e a madrugada desta sexta-feira em Várzea Grande. No bairro Mapim, um homem foi morto a tiros dentro do banheiro de uma lanchonete. A vítima foi identificada pela polícia como Natal Estevão Roz.

E a polícia está neste momento no cemitério Parque do Lago, onde um homem foi morto a tiros e com uma cruz cravada na boca e outro foi baleado. O homem baleado, identificado como Júnior Severino da Cruz, foi levado ao Pronto Socorro de Várzea Grande. A Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) vai investigar os casos.


__________________

Uma cruz cravada na boca... o povão anda assistindo filmes de vampiro demais. Ou isso ou o cara devia ter caninos invejáveis. Um despacho no coração seria o bastante, gente. Mesmo assim, essa nota ainda é menos pirotécnico do que Crepúsculo, aqueeeeeele filme cheio vampiros com carinha de emo saltitando e transformando-se em animais. Pfff...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Pequenas verdades

_ Ninguém leva ninguém a sério quando alguém está irritado com algo. Tenha a mais absoluta certeza disso;
_ Você não será ouvido se disser alguma coisa com o coração. Se tem algo dentro dele, não conte a ninguém que o guardou lá;
_ De pé não engravida;
_ Donos de lojas de brinquedos não vão para o céu;
_ Arnaldo Antunes veio ao mundo com erro de fábrica;
_ Cartazes de filmes B são como os filmes por si só: são tão ruins que são bons;
_ Tem pessoas que a gente não conhece ou entende, apenas descobre;
_ Precisamos de regras sociais mais específicas e menos dúbias para o constrangedor ato de se puxar assunto. É chato ver como os outros reagem a essa singela abordagem, achando que se trata de bajulação ou tentativa de dar em cima do sexo oposto;

_ Ortodontistas odeiam adolescentes;
_ Mulheres que se perfumam usando talquinho e alfazema é a coisa mais triste desse mundo. Hmm, já falei isso antes, mas não custa frisar;
_ Contracultura tá virando pop. Ou seja, atrizes pornô dando entrevista no Superpop é só o começo. Um dia a novela das oito será protagonizada por uma delas, escrevam o que digo. Fazendo par romântico com o Kid Bengala;
_ Trabalhar não é ruim. O ruim é ter que trabalhar. (minhas sinceras desculpas a Seu Madruga);
_ Três coisas que levaria pruma ilha deserta: Nicole Kidman, Telecine e um carregamento vitalício de Amendocrem;
_ A palavra 'Educação', na mais profunda de suas raízes etimológicas, deve ter sido um eufemismo para dinheiro no alvorecer da humanidade. Seja qual for o idioma, decerto esta acepção deu uma voltinha no grupo fino-úgrico e uma passada no grupo anglo-saxônico antes de chegar a nós do jeito que chegou;
_ Se tem uma coisa nesse mundo que a criatividade não cai bem é na hora de escolher nome pra filho. Aprendam isso, pais de primeira viagem e casais hollywoodianos que adotam crianças por atacado;
_ Todo mundo gosta de sadomasoquismo;
_ Fotos de gatos com legendas cheias de internetês e corruptelas bizarras sempre são engraçadas. Ou melhor, 'saum ROFL'...;
_ Tetris é o jogo abstrato mais onírico de todos os tempos;
_ Nem as mulheres aguentam sua própria inconstância. E olha que isso já constatei ouvindo de soslaio algumas conversas entre mulheres que passaram da meia idade faz tempo. Isso observado, chega a parecer algo incongruente a homossexualidade feminina ser algo possível (uma aguentando a TPM da outra, a outra esperando a uma se arrumar)...;
_ Renée Zellwegger é uma das atrizes mais broxantes que eu já vi. E ela nem precisou de dezenas de cirurgias plásticas para isso, impressionante;
_ A verdade dói, liberta... mas esquecem de nos dizer que, às vezes, cansa também;
_ Quer estragar um filme? Coloque o Mark Wahlberg ou o Tom Cruise como protagonista. Já imaginaram se Crepúsculo, aqueeeeele filme do vampiro que gosta de pular, que nunca come aquela vadia e que gosta de se transformar em outros animais, fosse estrelado por Mark Wahlberg? Pois é;
_ Helena Bonham-Carter parece um garotinho, mas mesmo assim tem menos cara de paisagem que a Zooey Deschanel. Fato.


Sim, meu humor não está dos melhores hoje. Esse blog tem esse nome por um motivo, sabiam? (nota: atualizações em itálico acima)

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Chamadas infelizes de programas de televisão

Músicas que mudaram o mundo: músicas pararam guerras? Derrubaram ditadores? Mudaram hábitos? Salvaram alguém? Então calem-se, redatores medíocres! Música não é um assunto importante. É mera fruição, mero hobby, mero passatempo. Dar importância a ela é tirar a diversão e emoção que ela traz. E isso é desnecessário.

Jornalismo com credibilidade: gente, o jornalismo de hoje considera mais importante o nascimento da filha da Xuxa do que qualquer acordo internacional firmado em toda uma década. E isso porque peguei apenas os anos 90 como referencial. Fala sério. Desde quando a geração que passa mais tempo rindo de gafes jornalistas em sites de vídeo do que consumindo jornalismo de verdade tem condições de se manter informado com um mínimo de credibilidade? Estamos falando do jornalismo que conta com gente como Diogo Mainardi e Arnaldo Jabor em suas fileiras. E do jornalismo que não exige mais diploma pros profissionais das redações país afora escreverem suas asneiras.

Qualquer uma que conte o que vai acontecer em capítulo de novela: elemento surpresa é um conceito desconhecido entre os autores nacionais. O brasileiro não gosta de ser chocado, e é seguindo esse pensamento recalcado dum país católico demais que a linha editorial age. É por isso que a literatura nacional, antes do século XX (feitas ressalvas óbvias, tá?) é um porre. Em primeiro lugar, por causa do Romantismo tedioso praticado por autores sem tradição literária duma nova nação que ainda buscava identidade cultural. Em segundo, porque ela surgiu de folhetins, e não tinha a menor intenção de realizar experimentações narrativas. Intencionava apenas alienar a elite fútil da época, e isso faziam bem. Emocionar, só preparando o público. Nesse ritmo, os beijos gays jamais sairão dos últimos capítulos de novela...

Só que essa galerinha...: propaganda de filmes são hors concours. Parecem uma mala-direta; você só muda o nome dos personagens e pronto. Não é à toa que aquele vídeo em que um sujeito oleta dezenas de vinhetas da Sessão da tarde contendo a palavra confusão virou febre na internet uns três anos atrás. A parada ficou tão escancarada depois desse vídeo que a Grobo simplesmente baniu a supracitada palavra de suas vinhetas. Hoje em dia acontece de tudo nos filmes pipoca deles, menos confusão. Vou sentir falta dessa palavrinha; até hoje assisto as vinhetas atentando o ouvido pra ver se essa palavra sai. Não adianta, por nada sai.

...num filme indicado ao Oscar: pra que serve o Oscar hoje em dia? Além de sex toy pra Marisa Tomei ou peso de porta pro Peter Jackson, acho que nada. Fala sério, filme bom não precisa usar a merda duma indicação como status. Que lógica mercadológica mais infantil da parte das distribuidoras! Chega a ser uma atitude meio loser da parte delas. É como se elas dissessem pra nós, "olha, nosso filme quase ganhou um prêmio; infelizmente não conseguimos puxar o saco de gente o bastante pra levar o caneco, mas assistam nosso filme mesmo assim, valeu?". Alguém homenageia o Rubinho quando ele deixa o alemão passar ou termina o campeonato em vice porque a escuderia mandou? Então porque fazem isso com filmes? Tománocu...

Hoje, depois do programa tal...: por acaso eu sou obrigado a decorar toda a programação de um canal? Prepotência descarada, isso. A humanidade inventou as horas para isso, pra gente se programar. Quando esse conceito de tempo for substituído pelas novelas da Grobo como referencial para quando alguma coisa começar, me avisem. Até lá, quero mais que seja sodomizado o insolente que me vem com essa forma de divulgar as ditas atrações de um canal...

O clima está esquentando na casa: ah, os reality shows... redundância fazer uma vinheta dessas. Qualquer casa com mais de cinco mulheres confinadas é ambiente propício prum pandemônio. Cinco TPMs, cinco crises de abstinência (de todo tipo), cinco egos femininos sem seus respectivos machos pra aguentar suas reclamações inconsequentes, cinco canais de geração de fofocas... não me espanta que só os homens ganhem essa bagaça. Ficar dois meses coçando os bagos em rede nacional enquanto a emissora pensa em provas idiotas que justifiquem você dar uns pegas nas participantes mais carentes é moleza. Difícil é aguentar as calcinhas penduradas no banheiro...

Acompanhe flashes ao vivo do carnaval nas principais capitais do País: isso, meus caros, é encher linguiça. Se jornalismo de verdade fosse eu ficar me acabando na avenida entrevistando bêbados, ninfomaníacas e tarados país afora, essa decerto seria a profissão mais cobiçada do mundo. Mas não é. E continuam a insultar nossa inteligência durante o começo de cada ano...

Hoje tem programa tal, especial de natal: se alguma coisa acontece todo ano, ela deixa de ser especial exatamente pelo fato de sabermos que vai acontecer, não? A menos que produzam um especial de natal e o exibam em agosto, não há nada de especial nisso, portanto.

Vamos abrir aquele sorrisão, essa galerinha vai tirar todo mundo do sério e variantes: todo programa de humor da TV aberta tem esse complexo de superioridade disfarçado. Eles precisam avisar que estão tentando fazer humor. Como se fosse etiqueta rir de piada ruim. Para esses redatores, falta de etiqueta deve ser rir de piada criativa e sofisticada. Tendo esse fato cá exposto, me espanta como ainda deixam a Fernanda Young escrever pra Grobo. Onde fica a inspiração pra se escrever um programa que será cancelado pela ignorância do público que prefere piadas rasteiras e com trocadilhos infames? Talvez no mesmo lugar que faz o público rir das piadinhas de labareda dos cassetas...

domingo, 11 de outubro de 2009

Duplo sentido em Chaves (III)

_ O que está fazendo, Chaves?
_ Estou caçando incestos.
_ Não se diz incestos, se diz inseptos!
_ Ahhh... então. Eu estou caçando inseptos.

_ Ele tem voz de Cipriano.
_ Voz de soprano.
_ Isso, isso, isso...

_ A Chiquinha não pode ir brincar agora, está na cama com 45.
_ Cabem todos?